Aproximadamente mil e oitocentos mototaxistas da cidade de Manaus participaram de uma passeata na manhã desta terça-feira (4), em mobilização para a regulamentação da categoria por parte do governo municipal. O ponto de encontro aconteceu na avenida Itaúba, no bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste, e seguiu pelas ruas das Zonas Norte, Centro-Sul e Oeste, chegando até a sede da prefeitura.

De acordo com o presidente da Central Única dos Mototaxistas, Paulo Vitorino Falcão, a principal motivação do movimento é a regulamentação da atividade profissional do mototaxista, que mesmo após discussões entre a categoria, o gestor municipal e vereadores, ainda não foi regulamentada na capital amazonense.

O ‘buzinaço’ promovido pelos mototaxistas foi acompanhado por agentes de trânsito do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) e policiais militares. O comboio saiu da avenida Itaúba, no Jorge Teixeira e seguiu pela Cidade Nova, passando pela avenida Torquato Tapajós, avenida Mário Ypiranga Monteiro (antiga av. Recife), onde parou em frente à Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) e seguiu até a sede da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), na avenida Maceió. O último ponto de encontro dos mototaxistas foi na sede da Prefeitura Municipal de Manaus (PMM), no bairro da Compensa, na Zona Oeste.

Os mototaxistas fecharam um dos lados da avenida Brasil, em frente a PMM, no sentido Centro-Bairro, prejudicando o trânsito na área.

Prefeito

De acordo com o secretário de comunicação municipal, Márcio Noronha, o prefeito Artur Virgílio Neto vem mantendo negociações, por meio de um diálogo, com a liderança dos mototaxistas e o gestor municipal não entende o porquê da manifestação na manhã desta terça-feira.

“Essa manifestação prejudica os mototaxistas e o prefeito não vai atendê-los se continuarem prejudicando o trânsito e a população. Se for de forma ordeira, o prefeito se predispõe a recebê-los, após protocolarem um pedido de reunião para uma audiência onde serão discutidos os pontos das reivindicações”, declarou.

Ainda segundo Noronha, a prefeitura recebeu cerca de 12 associações que representam a classe e junto com o Manaustrans vem negociando os critérios do projeto de lei que será encaminhado à Câmara Municipal de Manaus (CMM), onde deverá ser votado. Uma licitação individual está sendo estudada para favorecer os mototaxistas, com critérios de tempo de serviço e número de multas por profissional por exemplo.

Fonte: A Crítica